Professores

Um pouquinho de Vinícius de Moraes


Profº Kátia Martins e Roberto Tadeu Rodrigues


Marcus Vinicius da Cruz de Mello Moraes, conhecido como Vinicius de Moraes nasceu em 19 de outubro de 1913, no Rio de Janeiro, com ascendência nobre e de dotes artísticos.
Com apenas 16 anos entrou para a Faculdade de Direito do Catete, onde se formou em 1933, ano no qual teve seu primeiro livro publicado “O caminho para a distância”. Durante o período de formação acadêmica firmou amizades com vínculos boêmios e desde então, viveu uma vida ligada à boemia.
Após alguns anos foi estudar Literatura Inglesa na Universidade de Oxford, no entanto, não chegou a se formar em razão do início da Segunda Guerra Mundial. Ao retornar ao Brasil, morou em São Paulo, onde fez amizade com Mário de Andrade, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade e também efetivou o primeiro de seus nove casamentos. Logo após algumas atuações como jornalista, cronista e crítico de cinema, ingressou na diplomacia em 1943. Por causa da carreira diplomática, Vinicius de Morais viajou para Espanha, Uruguai, França e Estados Unidos, contudo sem perder contato com o que acontecia na cultura do Brasil.

É um dos fundadores do movimento revolucionário na música brasileira, chamado de “Bossa Nova”, juntamente com Tom Jobim e João Gilberto. Com essa nova empreitada no mundo da música, Vinicius de Moraes abandonou a diplomacia e se tornou músico, compôs diversas letras e viajou através das excursões musicais. Durante esse período viveu intensamente os altos e baixos da vida boêmia, além de vários casamentos.

O início da obra de Vinicius de Moraes segue uma aliança com o Neo-Simbolismo, o qual traz uma renovação católica da década de 30, além de uma reformulação do lado espiritual humano. Vários poemas do autor enquadram-se nesta fase de temática bíblica. Porém, com o passar dos anos, as poesias foram focando um erotismo que passava a entrar em contradição com a sua formação religiosa.
Após essa fase de dicotomia entre prazer da carne e princípios cristãos, infelicidade e felicidade, Vinicius de Moraes partiu para uma segunda fase poética: a temática social e a visão de amor do poeta.
Há diferenças na estrutura da primeira fase poética do escritor em relação à segunda: a mudança dos versos longos e melancólicos para uma linguagem mais objetiva e coloquial.

Vinicius de Moraes foi um poeta que marcou a literatura e a música, e até hoje é relembrado, inclusive em nomes de avenidas, ruas, perfumes...

Algumas obras:

Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Pela luz dos olhos teus

Quando a luz dos olhos meus
E a luz dos olhos teus
Resolvem se encontrar
Ai que bom que isso é meu Deus
Que frio que me dá o encontro desse olhar
Mas se a luz dos olhos teus
Resiste aos olhos meus só p'ra me provocar
Meu amor, juro por Deus me sinto incendiar
Meu amor, juro por Deus
Que a luz dos olhos meus já não pode esperar
Quero a luz dos olhos meus
Na luz dos olhos teus sem mais lará-lará
Pela luz dos olhos teus
Eu acho meu amor que só se pode achar
Que a luz dos olhos meus precisa se casar.

Poética

De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando.

Dialética

É claro que a vida é boa 
E a alegria, a única indizível emoção 
É claro que te acho linda 
Em ti bendigo o amor das coisas simples 
É claro que te amo 
E tenho tudo para ser feliz 
Mas acontece que eu sou triste...

A Felicidade

Tristeza não tem fim
Felicidade sim

A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar

A felicidade do pobre parece
A grande ilusão do carnaval
A gente trabalha o ano inteiro
Por um momento de sonho
Pra fazer a fantasia
De rei ou de pirata ou jardineira
Pra tudo se acabar na quarta-feira

Tristeza não tem fim
Felicidade sim

A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranqüila
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor

A felicidade é uma coisa boa
E tão delicada também
Tem flores e amores
De todas as cores
Tem ninhos de passarinhos
Tudo de bom ela tem
E é por ela ser assim tão delicada
Que eu trato dela sempre muito bem

Tristeza não tem fim
Felicidade sim

A minha felicidade está sonhando
Nos olhos da minha namorada
É como esta noite, passando, passando
Em busca da madrugada
Falem baixo, por favor
Pra que ela acorde alegre com o dia
Oferecendo beijos de amor

O verbo no infinito

Ser criado, gerar-se, transformar
O amor em carne e a carne em amor; nascer
Respirar, e chorar, e adormecer
E se nutrir para poder chorar

Para poder nutrir-se; e despertar 
Um dia à luz e ver, ao mundo e ouvir
E começar a amar e então sorrir
E então sorrir para poder chorar.

E crescer, e saber, e ser, e haver
E perder, e sofrer, e ter horror
De ser e amar, e se sentir maldito

E esquecer de tudo ao vir um novo amor
E viver esse amor até morrer
E ir conjugar o verbo no infinito...

Tomara

Que você volte depressa
Que você não se despeça
Nunca mais do meu carinho
E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer junto
Que viver feliz sozinho

Tomara 
Que a tristeza te convença
Que a saudade não compensa
E que a ausência não dá paz
E o verdadeiro amor de quem se ama
Tece a mesma antiga trama
Que não se desfaz

E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais...

Ausência

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado.
Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

O VELHO E A FLOR

Por céus e mares eu andei,
Vi um poeta e vi um rei
Na esperança de saber
O que é o amor.

Ninguém sabia me dizer,
Eu já queria até morrer
Quando um velhinho
Com uma flor assim falou:

O amor é o carinho,
É o espinho que não se vê em cada flor.
É a vida quando
Chega sangrando aberta 
em pétalas de amor.


Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova quando
chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de
grandes chuvas e das recordações da infância.
Preciso de um amigo para não enlouquecer, para contar o que vi de belo e triste
durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade.
Deve gostar de ruas desertas, de poças d´água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim. Preciso de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já tenho um amigo. 
Preciso de um amigo para parar de chorar. Para não viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas.
Que bata nos ombros sorrindo e chorando, mas que me chame de amigo, para que eu tenha a consciência de que ainda vivo.




SEMANA DA CRIANÇA 


Crescer sem violência

© UNICEF/BRZ/Claudio Versiani
A violência contra crianças e adolescentes se manifesta em todos os lugares. Pode ser na comunidade onde moram, na escola, nas instituições socioeducativas e na família.
Para dar uma resposta positiva ao problema, há que se considerar uma faceta cruel dessas agressões: a invisibilidade. Muitos dos casos de violência, seja ela física, sexual ou psicológica, não são notificados e, muito menos, investigados. A vulnerabilidade é ainda maior quando se fala em pessoas com deficiência, negros, adolescentes em conflito com a lei, moradores de rua e de meninas e meninos que vivem em comunidades populares dos grandes centros urbanos.
As prioridades do UNICEF no enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes são:
• Combater o abuso físico e sexual de crianças em casa;
• Prevenir a violência contra adolescentes, em especial, homicídios e exploração sexual, considerando as questões de raça e gênero;
• Promover reformas na justiça juvenil e nas políticas e práticas de proteção à criança com finalidade de reduzir a institucionalização e a violência contra a infância e adolescência.

UNICEF


UM POUQUINHO DE DRUMMOND:

Cortar o tempo

Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente
Carlos Drummond de Andrade
20 DE NOVEMBRO: DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

A Consciência é da Humanidade

Negro
De que vale a “consciência negra” quando é
oculta a consciência de uma ao menos cinza da sociedade.
O hino do negro vai eternizar com melodias sem rimas,
quase insuperáveis aos refrões
que há mais de quinhentos anos ecoam sem sucesso.
Paz, justiça, liberdade, direitos...
Sua bandeira são cinco cores com a da pele.
Ordem, em situações que discrimine sua cor.
Progresso, então, nem pensar.
Este lábaro representa um braço estendido e mão levantada.
Imagem de humildade ora por clamor.
Na geometria de sua forma
Destaca-se o verde, sua nobre esperança
Do amarelo, uma linda flor que tal qual no outono, cai,
mas a cada primavera está a brilhar.
No azul, sonho que todas as estrelas são iguais,
quando no branco, almeja a Paz.
Quiçá haverá o dia da consciência da humanidade
E as correntes se desatarão, enfim.
Marlene da Conceição de SousaIbiassucê - BA.

DIA DA ÁRVORE - 21\09
No último dia 21\09 foi comemorado o dia da ÁRVORE, mas será que temos o que comemorar? Sim e não. Sim, porque ela têm um importante papel para nossa existência, já que ela faz fotossíntese e seus frutos - muitas vezes - servem de alimento. Não, porque , ao invés do ser humano reconhecer toda  relevância desse vegetal e colaborar com a sua preservação, faz totalmente diferente, desmata , desrespeita, tudo em nome da ganância, do dinheiro. Sendo assim, seria de extrema importância que TODOS  se conscientizassem e respeitassem mais as árvores e o meio ambiente , de maneira geral, pois somos diretamente dependentes dele. Logo, qualquer prejuízo a ele é um dano para nós também. Abaixo, segue um texto com algumas curiosidades e informações sobre essa data comemorativa.

Dia Mundial da Árvore também chamado de Dia da Floresta surgiu da necessidade de conscientizar a população mundial da importância das árvores na natureza, bem como do meio ambiente em geral. Com efeito, o surgimento dessa data comemorativa tem como intuito central defender as florestas contra propostas de políticas ambientais questionáveis.
A partir disso, o Dia Mundial da Árvore é comemorado no dia 21 de setembrono hemisfério sul, marcado pela entrada da primavera; enquanto, no hemisfério norte é celebrado dia 21 de março, início da estação primaveril. Por isso, nesse dia, em muitos lugares do mundo ocorrem ações como: o plantio de árvores, programas de sensibilização e conscientização da população e, ademais, atividades ligadas ao meio ambiente.

História do Dia da Árvore

Essa data comemorativa surgiu em finais do século XIX, mais precisamente no dia 10 de abril de 1872, na medida em que Julius Sterling Morton (1832-1902), político e jornalista estadunidense, decide plantar uma grande quantidade de árvores no estado do Nebraska nos Estados Unidos. O “DayArbor”, como ficou conhecido, foi um marco ecológico da conscientização e preservação das espécies arbóreas que vinham, desde aquela época, sofrendo com o desmatamento, a extinção, o aumento do efeito estufa no mundo e a destruição da biodiversidade.

No Brasil, o decreto número 55.795, de 24 de fevereiro de 1965 estabelece que o Dia da Árvore deverá ser substituído pela Festa Anual das Árvores uma vez que o Brasil, país com dimensões continentais, possui diferentes características climáticas o que dificulta, por exemplo, o plantio de árvores no mês de março em estados do norte e nordeste, época marcada pela seca nessas regiões.

Curiosidades

  • A despeito do dia da árvore ser comemorado mundialmente com a chegada da primavera nos hemisférios terrestres (dia 21 de março ou 21 de setembro), muitas nações adequam esse dia a partir das características físico-climáticas de seus países. Assim, na Alemanha o Dia da Árvore é comemorado dia 25 de abril, na Polônia dia 10 de outubro, no Sri Lanka dia 15 de novembro e na Tanzânia dia 1 de janeiro.
  • O Dia Mundial da Poesia é comemorado também no dia 21 de março.
Fonte : http://www.todamateria.com.br/dia-da-arvore/


Postar um comentário