quarta-feira, 10 de outubro de 2007

O ATO DE ENCANTAR COM HISTÓRIAS

por SARAY AZENHA ROSA - Professora e contadora de histórias

No exercício de contar histórias percebi que as crianças que entram em contato com a mágica do conto se prendem ao contexto e se identificam com a história contada produzindo uma experiência particular e pessoal.
Ouvir permite que a história vá sendo construída pela imaginação de cada um.
Ao narrar um conto, por exemplo, possibilitamos ao ouvinte construir sua própria história, criar seu cenário, suas músicas, seus significados.
Nunca o ser humano sofreu tanto com ideais de felicidade impostos pela mídia; nossas fadas, hoje, são arquétipos de uma beleza artificial como a Barbie, tão famosa em nossa geração.
Ao contar uma história percebo ser o protagonista do ERA UMA VEZ, do agora onde se dará o poder imaginário do ser humano.
Por isso contar histórias difere do ato de ler histórias.
Ao ler um texto não nos preocupamos com seu encantamento, simplificamos a narrativa ou nos prendemos à organização textual, enquanto contar histórias é uma arte que pede atitude poética envolvendo o sujeito ouvinte.
As crianças hoje precisam dessa experiência por viver constantemente em contato com imagens estereotipadas e campanhas publicitárias. Segundo Bettelhein a literatura infantil seria a construção do indivíduo, assim a criança em contato com as histórias do mundo, e de sua própria cidade, passa a ser agente de sua própria formação e compreende a multiculturalidade.
Vemos que os problemas que afligem as pessoas não estão restritos a um só lugar e sim ao mundo todo, praticamente todas as camadas sociais passam a experimentar uma ansiedade permanente sobre o presente e o futuro. A possibilidade do desemprego, a insegurança diante da violência onipresente, a preocupação com o desamparo em caso de doença ou a chegada da velhice, as dúvidas sobre o futuro dos filhos, tudo isso forma um cotidiano de problemas que a todos aflige.
Desaparece a idéia de que a vida pode e deve ter um horizonte amplo, sólido e aberto. Em seu lugar, predomina a sensação de insegurança e desamparo.
A contação de histórias não reverte problema algum, mas auxilia a sonhar, a crer. Possibilita ao ser humano vislumbrar o maravilhoso.
As obras da literatura infantil, como aponta Ítalo Calvino, se "impõem como inesquecíveis. Quanto mais pensamos conhecer por ouvir dizer, quando são lidas, de fato, mais se revelam novas, inesperadas, inéditas”.
Postar um comentário