segunda-feira, 26 de abril de 2010

GÊNERO, PODER E O EMPODERAMENTO DAS MULHERES

E M P O D E R A M E N T O


 
          O conceito de EMPODERAMENTO foi desenvolvido pelo educador brasileiro PAULO FREIRE, um dos mais influentes pensadores da Educação do século XX.
 Dentre os conceitos desenvolvidos pelo autor, estão:

 
• Educação Bancária: na qual aprendizes passivos têm conhecimentos pré-estabelecidos depositados em suas mentes.

 
• Conscientização: um processo pelo qual o aprendiz avança na direção da consciência crítica.

 
• Cultura do Silêncio: no qual indivíduos dominados perdem os meios de responder criticamente ao conhecimento imposto a eles pela cultura dominante.

 
          EMPODERAMENTO foi outra dessas expressões ricamente definidas pelo autor. Embora o termo EMPOWERMENT já existisse na língua inglesa, significando “dar poder” a alguém para realizar uma tarefa sem precisar da permissão de outras pessoas, o conceito de Empoderamento em Paulo Freire segue uma lógica diferente. Para o educador, as pessoas, grupo ou instituição empoderada é aquela que realiza, por si mesma, as mudanças e ações que a levam a evoluir e se fortalecer.

 
          Buscando a origem da palavra inglesa EMPOWERMENT, temos:

  • “1.authorize, license; 2.give Power to; make able, empowerment a”. (1.autorizar, permitir; 2.dar poder a, tornar possível.) – Dicionário Oxford
  •  “1.to give official authority or legal power to; 2.enable; 3.to promove de self-actualization or influence of. (1.dar autoridade official a ou poder legal; 2.habilitar, permitir, autorizar; 3.promover a auto-atualização ou influência de.) – Dicionário Merriam-Webster
  • "1.“We wamt to empower ordinary citizens” . (“Nos queremos empoderar cidadãos comuns.”) – Dicionário American Hreritage

 
          Assim, observa-se que “o termo inglês trai o sentido original da expressão. Empoderamento implica conquista, avanço e superação por parte daquele que se empodera ( sujeito ativo do processo), e não uma simples transferência por benevolência, como denota o termo inglês empowerment, que transforma o sujeito em objeto passivo” (Schiavo e Moreira, 2005).

          Pode-se dizer então que Paulo Freire criou um significado especial para a palavra Empoderamento no contexto da Filosofia e da Educação, não sendo um movimento que ocorre de fora para dentro, como o empowerment, mas sim internamente, pela conquista.

          “ Implica, essencialmente, a obtenção de informações adequadas, um processo de reflexão e tomada de consciência quanto à sua condição atual, uma clara formulação das mudanças desejadas e da condição a ser construída. A estas variáveis, deve somar-se uma mudança de atitude, que impulsione a pessoa, grupo ou instituição para a ação prática, metódica e sistemática, no sentido dos objetivos e metas traçadas, abandonando-se a antiga postura meramente reativa ou receptiva.” (Schiavo e Moreira, 2005).

          Em pesquisas realizadas em sites de instituições de ensino estrangeiras, verifica-se que o termo deriva da idéia da “libertação do oprimido” , idéia desenvolvida por Paulo Freire. Portanto, empoderamento pode ser visto como a noção freireana da conquista da liberdade pela pessoas que tem estado subordinadas a uma posição de dependência econômica ou física ou de qualquer outra natureza.

          Freire escreveu um dia:

          “Os oprimidos, tendo internalizado a imagem do opressor e adotado suas linhas de atuação, têm medo da liberdade. A liberdade requereria deles rejeitar essa imagem e preencher o seu lugar com autonomia e responsabilidade. Liberdade se adquire pela conquista, não como um presente. Ela deve ser buscada constantemente. Liberdade não é um ideal localizado fora do ser humano; nem é uma idéia que se torna um mito. É sem dúvida a condição indispensável para a busca da humana complementação.”

          “Empoderamento, portanto, difere da simples construção de habilidades e competências, saber comumente associado à escola formal. A educação pelo empoderamento difere do conhecimento formal tanto pela sua ênfase nos grupos (mais do que indivíduos), quanto pelo seu foco na transformação cultural (mais que na adaptação social).”

 
(Maiores informações nos sites www.education.miami.edu – da Universidade de Miami U.S.A.; www.nl.edu – Universidade National-Louis U.S.A.; www.compact.org – Campus Compact U.S.A. – coalisão de mais de 950 colleges e Universidades Norte Americanas; www.paulofreire.org - Instituto Paulo Freire – Brasil).

Fragmento do documento de Leila de Castro Valoura (“Leila Kaas”) – Residente do Programa Comunicarte de Residência Social 2005/2006.

Colaboração: Profa. Alcione
Abril- 2010
 
Postar um comentário