sexta-feira, 16 de abril de 2010

A Marca de Uma Lágrima

A Marca de Uma Lágrima
Pedro Bandeira
Ano: 1985

A Marca de Uma Lágrima marcou minha adolescência. Não, não! Não era adolescente em 1985, data do lançamento. Eu o fui no início dos anos 90 e li o livro nessa época. Os livros traspassam a linha do tempo, bem como toda forma de arte. Pedro Bandeira é um autor genial de histórias que misturam suspense e romance juvenil. Este foi meu primeiro contato com seus livros.

Isabel é uma jovem que se acha gorda e feia. Ela vive um amor platônico por seu primo, Cristiano. Acontece que sua melhor amiga, Rosana, se apaixona por ele. Em nome da amizade e já que Isabel não contara para a amiga sobre sua paixão antes desta, resolve ajudá-la, escrevendo versos apaixonados para Rosana entregar como se fossem seus.
Muito apaixonada por literatura, Isabel é uma assídua devoradora de livros e há muita referência a autores consagrados na obra, tais como Vinícius de Moraes, Fernando Pessoa e Pablo Neruda. Acontece que haverá um segredo, algo a ser desvendado. Um crime, uma necessidade de justiça, alguém precisa pagar, mas e a lágrima de Isabel, quem a secará?

Muitos livros retratam esses triângulos amorosos. Você notará ao ler a história que não é exatamente um triângulo. Eu me identifiquei muito com a Isabel porque era muito fechada dentro de si, com medo do que os outros pensavam dela mesma. Por se achar feia julgava-se indigna do amor do seu primo lindo, maravilhoso e incrível. Ou seriam os olhos apaixonados dela que apagavam os defeitos de Cristiano?

Acontece que o espelho não mentia e refletia a imagem de uma adolescente sem graça. Há maior dor do que esta, de não se ter o amor de quem se ama? E ainda mais na adolescência, quando o mundo acaba no outro dia e não se tem tempo a perder com nada? Estamos sempre afobados, com pressa, o dia não poderia ter apenas 24 horas para tanta efervescência.

Ah, Isabel. Ah, Cristiano. Ah, Rosana e até Fernando. Ops! Não vou contar mais nada! Leia e descubra! É só ir até a biblioteca e pedir o livro para a Odete ou a Luciana.

Boa leitura!
Cris Linardi
Postar um comentário